Atendimento Terapêutico em Filosofia Clínica

O terapeuta filosófico pode ser um amigo disposto a ouvir, sem pré-julgamentos, que não interrompe para dizer que estamos errados, que o nosso sofrimento não é nada diante das desgraças do mundo, que nos acompanha nas questões existenciais que geram sofrimentos, quando, por exemplo, um problema com relacionamento, uma angústia, uma dificuldade no trabalho ou na vida pessoal, escolhas difíceis, medos incontroláveis, momentos em que os problemas parecem nos absorver e não conseguimos o distanciamento suficiente para direcionarmos a questão de uma maneira indicada e mais próxima da nossa própria maneira de ser.

Na Filosofia Clínica quem busca ajuda é chamado de partilhante porque é aquele que partilha – parte de sua “caminhada” – compartilhando suas questões existenciais com o filósofo clínico.

O filósofo clínico não pode direcionar as ações e decisões do partilhante se baseando em suas próprias verdades e valores pessoais. Não existe mais um “manual” do ser humano que diga o que é normal e o que é patológico. Existem maneiras singulares de ser no mundo, histórias únicas e incomparáveis, “remédios” da alma e para a alma, únicos para cada indivíduo.

A psicoterapia tem uma concepção diferente na versão filosófico clínica. O filósofo situa-se entre as amizades de quem partilha uma trajetória de vida tendo-se nisso a busca de opções às problemáticas: nesse contexto, a psicoterapia praticada pela filosofia despreocupa-se primordialmente, como opção, com as curas médicas do estudo e da terapêutica das doenças mentais, afastando-se dos critérios como normal/patológico, doente/saudável, de tipologias. Todavia, localiza-se mais no âmbito da área de Humanidades, enquanto filosofia. (Lúcio Packter – Caderno A)

Passo a passo do Atendimento Filosófico-Clínico

Motivo

No primeiro contato, o Partilhante conta o que o trouxe à clínica. As vezes uma queixa, uma questão ou problema existencial, no trabalho, nos relacionamentos, as vezes uma perda, ou qualquer motivo. O Filósofo ouve com respeito e atenção, tentando contextualizar e compreender o que se passa com a pessoa.

Historicidade

O terapeuta pede para o Partilhante contar a sua história de vida. Desde a sua lembrança mais antiga até os dias atuais. Esta será a matéria-prima, é a partir daí que começa a caminhada com os Procedimentos Clínicos, contextualizando e aprofundando a compreensão pela história contada pelo Partilhante, observando os caminhos, as suas formas de lidar com as coisas, observando os Tópicos, que no método filosófico clínico chamamos de Estrutura de Pensamento (E.P.).

Escuta

Enquanto ouve atentamente a Historicidade contada pelo Partilhante, o Filósofo Clínico, não apenas ouve, mas vai conhecendo a Estrutura de Pensamento do Partilhante, e as maneiras que ele viveu em cada endereço existencial, nas diversas circunstâncias da existência. E então aprofunda seu conhecimento a respeito desse jeito de ser singular, metodologicamente, o que permitirá uma próxima etapa.
. . .

Diálogo

Neste momento, a caminhada conjunta, os diálogos, terapeuta-partilhante, são aprofundados. Possíveis orientações existenciais, conhecimentos adquiridos na escuta atenta da historicidade, o respeito à partes que devem ficar adormecidas, o despertar de trechos que devem ser desvelados. O diálogo clínico, baseado na Estrutura de Pensamento (E.P.) do Partilhante, o respeito a sua singularidade.
. . .
Menu

Terapia online disponível por videoconferência. Entre em contato para agendar com um terapeuta.

X